Ainda não são conhecidos três Campeões, embora dois deles o sejam antes da prova se iniciar. Quantos aos outros postos, muito há para definir.


Super Car, Super Nacional A 1.6 e Super Buggy, são as categorias que ainda não conhecem os seus Campeões, ou quase. Quase, porque nos Super Car, face à ausência de Pedro Matos, Joaquim Santos conquista mais um título. Certamente gostaria mais de o fazer na pista. Pedro Matos é segundo.
Nos outros trações às quatro, Ana Matos é Campeã, com Daniel Costa em segundo
Também com uma única inscrição, nos Super Buggy, o mesmo acontece relativamente a Ludgero Santos, o já Campeão. Rafael Teixeira é segundo, com António Estevão em terceiro, empatado em pontos com Paulo Godinho, mas com o desempate a ser-lhe favorável.
Já na Super A 1.6, tudo ficará decidido, mas só ao baixar da bandeira de xadrez, da final. Candidatos, são Sérgio Dias, Pedro Tiago e Luís Morais. Pode-se referir que, Sérgio Dias, é o único que depende só de si, para se sagrar Campeão. Tanto Tiago como Morais, poderão tudo vencer, mas não serem Campeões. Já se Dias dominar a jornada, o título será seu. Mas igualmente o será, se for segundo classificado na final e após mangas.
Neste momento, Sérgio Dias soma 149 pontos, mais 15 e 17 do que Luís Morais e Pedro Tiago. Contudo, como só contam os quatro melhores resultados, as diferenças serão um pouco mais pequenas, depois da prova que terão de “deitar fora”. Há que referir que, esta A 1.6, só terá cinco provas a pontuarem.
Nesta categoria, Daniel Leal ainda pode, matematicamente, chegar ao título. Ele que foi o grande “Campeão”, ao permitir que esta divisão se realizasse, este ano (ver artigo).
Nas outras categorias, falta definir quem acompanhará o Campeão, na Gala dos Campeões da FPAK. Na Super 1600, onde João Ribeiro já o virtual Campeão, o Vice é quase, José Eduardo Rodrigues. Tem 181, o que lhe dá uma vantagem bem segura, sobre os restantes candidatos. São, e por esta ordem, Hélder Ribeiro, Joaquim Machado, Mário Teixeira e Bruno Gonçalves. Um quarteto de respeito, onde há que fazer muitas contas, até porque, se considerarmos a tal “prova que não pontua”, as diferenças são bem diferentes. Quanto a nós, será destes quatro pilotos, que nascerá o terceiro classificado. Uma excelente categoria que, este ano, foi a rainha do Ralicross, pois tão boas foram todas as corridas com que nos brindou.
Na Super Nacional, o cetro também já é de Luís Moreira. E quanto ao segundo e terceiro postos, face aos inscritos, ainda haverá que fazer algumas contas. Santinho Mendes, mesmo sem estar presente, ainda o poderá conquistar. Tem 163 pontos, mais 13 do que Daniel Sousa e mais 27, relativamente a Ricardo Mendonça. Contudo, estas diferenças serão bem maiores, se considerarmos os seis melhores resultados, pois Mendes só soma mais pontos, a partir de 17, e Mendonça, a partir de 8. Isto porque estes são os piores resultados, de cada um dos pilotos. Assim, Daniel Sousa terá que conquistar 31 pontos para destronar o atual segundo classificado. Já Mendonça, terá de conseguir 36.
Faltará falar, em termos de Ralicross, na Iniciação. Novo já é o novo Campeão, mas falta saber quem serão os segundo e terceiros. E só há dois candidatos. Rafael Rocha, que tem 196 pontos, e 28 como pior resultado, e Pedro Domingos 177, com 14 como resultado a não “contar”. É verdade que a diferença é de 19 pontos, mas se recordarmos que um pontua a partir de 28 e outro de 14, a diferença real, será somente de cinco. Muita luta pela segunda posição, desejando-se que não haja fatores externos a entregar o Vice-título.
No Kartcross, onde Pedro Rosário Já conquistou o seu oitavo título, ainda falta definir quem será o Vice-Campeão. Há dois candidatos mais fortes, José Luís Pereira e Jorge Gonzaga, mas com mais dois pilotos a, também, poderem lá chegar. José Mota e Rui Nunes. Mota e Nunes, com menos pontos totais, mas a somarem todos os pontos que conquistarem em Montalegre. Ou quase, pois José Mora terá de “deitar fora” somente um. Já José Pereira aproveita todos a partir de 13, e Gonzaga a partir de 21.
José Luís Pereira é o único que depende somente de si, para bisar o segundo lugar. Isto porque, a qualquer um dos outros, não bastará conquistar o máximo da pontuação, para o conseguirem.
Vai ser lutar até ao fim, pelos dois lugares de pódio que restam, esperando que tudo decorra dentro da normalidade.
Mesmo com um número de pilotos, abaixo do normal e desejável, muito espetáculo e muita adrenalina, são aguardados, nos dois dias de prova, no Ralicross/Kartcross de Montalegre. Mais uma prova a não faltar, até porque é a última do Campeonato.

Joaquim Santos já é o virtual Campeão dos Super Car

O título dos Super Buggye é de Ludgero Santos

José Eduardo Rodrigues e Hélder Ribeiro, são os atuais segundo e terceiro, na Super 1600

Sérgio Dias e Luís Morais dois dos candidatos ao segundo posto na Nacional A1.6

Santinho Mendes ou Daniel Sousa, quem ficará em segundo na Super Nacional?

Rafael Rocha e Pedro Domingos vão lutar pelo Vice, na Iniciação

José Luís Pereira e "Joca" Gonzaga, dois candidatos ao Vice, no Kartcross

Direitos de autor © 2017 Offroad Portugal. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre produzido sob a licença GNU GPL.
Go to top
JSN Boot template designed by JoomlaShine.com