Que a internet faz parte do nosso dia a dia já todos sabemos. Mas quando ficamos sem ela, é que percebemos o quanto nos faz falta.

 

E esse foi o nosso drama nas últimas semanas. Mudamos de instalações, o que só por si já é um caos, mas conseguir o restabelecimento da internet foi uma luta. Não há fibra, há fibra, há fibra mas o tubo está entupido. É necessária uma nova equipa para passar o cabo. Pois!!! Entre passar os cabos e conseguir o serviço, tivemos que recorrer aos amigos. Bendita cunha! É claro que os nossos leitores não se importam com as nossas desventuras, no mundo da pré historia, mas pensamos que as mesmas são motivo para um sorriso. Finalmente cá estamos, com net e com as canetas a postos, que é como quem diz com o teclado e rato a funcionar. Aproveitamos para fazer uma análise rápida do que se passou nestas últimas semanas em termos de Ralicross.
Hoje, e em jeito de retrospetiva, vamos escrever umas linhas, sobe algumas coisas que, entretanto, aconteceram.

PTRX apresentado
Primeiro, dia 2 de março, foi a apresentação do PTRX 2019. Uma cerimónia que se realizou no Espaço Mais Grijó. Poderá ver AQUI, as novidades para 2019.
Foi pena a pouca adesão de público, pois a Promoção do PTRX bem merecia uma plateia em mais preenchida, por todo o trabalho que tem feito, em prol da modalidade. Além disso, no final, foi degustado um vinho da Lousavinhos que, “per si”, era mais um motivo para mais presenças.

400 voltas
No mesmo dia, da apresentação, realizavam-se os treinos das 400 voltas Jaime Moura, no Eurocircuito de Lousada.
Uma prova animada, com a Kaxa & Motor a vencer. Uma equipa capitaneada por Joaquim Machado, com Jorge Machado, Leonel Sampaio e Jorge Areal. O carro era o habitual Peugeot 106, que se mostrou im+ecável durante toda a jornada.
No segundo lugar, mais um 106, este da BeFast, que terminou a 14 voltas dos vencedores. Ao volante, estiveram Hugo Couto, André Moura e João Lousada. O pódio ficou completo com a 100 Travões, Peugeot 205, em que correram Carlos Correia, Norberto Teixeira, Flávio Rodrigues, Luís Miguel e Vitor Caldas. Fez menos 18..
Quanto à classe 1, até 1.400 cc., a vitória foi da CL Racing Team, Lancia Y, composta por Cristiano Loureiro, Diogo Loureiro, Manuel Gouveia e Nuno Silva.
A jornada ficou marcada pelo acidente do Starlet da Garagem Veiga. Um acidente “feio”, no final da descida, devido a problemas de travões. Felizmente que João Sousa, que pilotava o Toyota nessa altura, além do valente susto, não teve nada de grave. Nessa equipa, estava Bianchi Prata, José Eduardo Rodrigues e Nuno Araújo.

A chegada do 208
Entretanto, no dia anterior a estes dois acontecimentos, Lousada teve a presença de Ulrik Linemmann. Veio ao nosso país trazer o 208 de António Sousa, que fará parte do rol dos carros da Super 1600, no Campeonato de Portugal de Ralicross.
Portugal é o país da Europa, que mais carros compra ao dinamarquês. Este, foi o terceiro. Antes, vieram o 206 de José Eduardo Rodrigues e o 208 de Joaquim Machado.
A terminar, só queremos afirmar que, a partir de agora, prometemos uma presença bem mais assídua, tanto no sitio do OffRoad Portugal, como na sua página do Facebook.

 

rodape_1.png
Go to top
JSN Boot template designed by JoomlaShine.com