Facebook

Apoios

Foi no fim de semana passado que se realizou o Ralicross Paredes/Baltar, prova candidata aos Campeonatos de 2020, organizada pelo Clube Trilhos do Norte.


Certamente que o muito público que se deslocou ao Circuito de Baltar, não deu por mal-empregado o tempo que por lá passou. Mesmo com um número de pilotos, abaixo do desejado, houve momentos de bom Ralicross, de espetáculo e de adrenalina.
A jornada, englobou um show de Camião Racing, com as presenças de José Eduardo Rodrigues e de Bruno Borges.

Estreia vitoriosa
Na Iniciação, André Monteiro estreou um Toyota Starlet, com que tem vindo a treinar, e Rafael Rêgo fez a sua estreia absoluta no Ralicross, com o Peugeot 106. O carro que foi Campeão no ano passado.
Depois das mangas realizadas e da final, a vitória foi de Rafael Rêgo, seguido de André Monteiro, a demonstrar alguma falta de habituação ao carro.
Quanto ao vencedor, parecia que já andava na modalidade há várias provas. Teve uma boa estreia e gostou. “Estou a gostar muito”, referiu antes da final.
Terminada a prova, Rafael disse. “Gosto mais de Ralicross do que de Karting”, modalidade em que já competiu. Vamos vê-lo mais vezes, este ano.
Classificação final

Rafael Rêgo

André Monteiro

Adão Pinto no lugar mais alto do pódio
Na Nacional, a vitória foi para Adão Pinto, Opel Astra, depois de uma final bem disputada.
Nas qualificações as vitórias foram divididas entre Pinto e Paulo Sousa, BMW 325. Este, protagonista de uma capotanço, na terceira corrida. Recuperou o BMW e venceu a quarta.
Com Adão Pinto a vencer, com pouca contestação, a final valeu pela luta pelas outras posições. José Eduardo Queirós, Peugeot 206, foi segundo, depois de alguns problemas nas qualificações, seguido de Paulo Sousa, que esteve melhor nas mangas do que na final. Interessante foi a quarta posição de Olavo Ribeiro, que com o Toyota Corolla com que André Monteiro, corre na Iniciação, deu que fazer aos seus adversários. Joaquim Melo, BMW 325, veio dar uma perninha no Ralicross e não deslustrou. Pena que não faça mais provas.
Foram corridas bem interessantes, estas da Categoria Nacional.
Classificação final

Adão Pinto

José Eduardo Queirós

Paulo Sousa


Tiago nos A1.6
Foi Tiago quem venceu, mas desta vez de apelido Ferreira. Com o seu Peugeot 106, dominou todas as qualificações e a final.
Foi uma final interessante, pois só depois da todos passarem pela Joker, ficou decidido o vencedor. No segundo lugar, ainda perto de Ferreira, terminou Jorge Costela, Citroën Saxo, na sua primeira prova da temporada. Logo a seguir, foi Hélder Silva, Citroën Saxo, quem cortou a meta.
Além destes pilotos, no sábado Alfredo Moreira esteve presente, com um pequeno Fiat UNO.
Mesmo com o número de presenças, abaixo do desejado, foi mais uma final interessante, com todos a demonstrarem pequenas diferenças de andamento, entre si. Provam-no as voltas mais rápidas, com todos a caberem no mesmo segundo.
Classificação final

Tiago Ferreira

Jorge Costela

Hélder Silva

Sem vencedor final
Nos Super Car, Daniel Pacheco, Subaru Impreza dominou as qualificações, ao vencer as quatro corridas. Na final, na primeira curva, José Lourenço, Subaru Impreza, que estava na frente, abre, Pacheco mete o carro para ultrapassar. A manobra é considerada ilegal e Pacheco viria a ser desqualificado da final. Mal, quanto a nós.
A seguir, José Lourenço foi desqualificado da prova, por atitudes em nada desportivas.
Classificação final

Daniel Pacheco

Pacheco venceu nos Super 1600
Foi uma corrida a dois, mas mesmo assim teve alguma emoção. Ambos lideraram e ambos poderiam ter vencido. André Sousa venceu as quatro qualificações, com o Peugeot 207, mas não teve tarefa facilitada.
Mas na final, o vencedor foi Joaquim Pacheco, com o Citroën C2. Sousa liderava, quando teve um problema mecânico, a pouco mais de duas voltas do fim.
Classificação final

Joaquim Pacheco

André Sousa

Ribeiro vence no Kartcross
No Kartcross a vitória foi de João Ribeiro, HN Sport. Sem o seu Saxo, por ainda não estar pronto, correu com o HN Sport cedido por Nuno Bessa.
Venceu das mangas, deixando a outra para Mauro Reis, HSport.
Na final, também, foram eles os principais intervenientes. Venceu Ribeiro, com Reis a terminar a menos de 1 segundo. No terceiro posto, classificou-se Pedro Marques, ASK EVO 2014, na segunda corrida da sua carreira. Bom resultado.
No quarto posto terminou Tiago Freitas, Proto HSport, mas cairia para a sexta posição, por não ter cumprido a Joker. Quem fica em quarto é Pedro Palma, ainda pouco habituado ao seu novo HSport, seguido do Semog Bravo de Luís Monteiro.
José Soares, ASK, ficou na volta inicial, depois de um toque que lhe foi dado. José Silva, JRS Demo, que regressou nesta prova, não alinhou na final.
Vitória de João Ribeiro, depois de se adaptar, facilmente, a esta modalidade.
Uma boa jornada de Ralicross e Kartcross, numa prova que mostrou merecer estar nos Campeonatos de 2020.
Classificação final

João Ribeiro

Mauro Reis

Pedro Marques

rodape_2.png

Rx-Kx-SB na Federação

FPAK

Go to top
JSN Boot template designed by JoomlaShine.com