Facebook

Apoios

Tem vindo diminuir o interesse pela Taça de Portugal, como o prova a diminuição de pilotos participantes, nos dois últimos anos.


Em Mação, onde foram conseguidas 43 inscrições, num total de 42 pilotos, visto que João Novo participou em duas categorias, faltaram cinco dos inscritos. Entre eles, os dois únicos dos Super Car.
Entre outras situações, o número de provas deste ano, pode ser um dos motivos de muitas das ausências. Por outro lado, a Taça tem o mesmo figurino das provas do Campeonato, uma situação que poderia ser repensada, de forma a tornar mais atrativa, uma participação.
Além disso, pelo menos o prémio do vencedor de cada categoria, deveria ser uma cópia, mais pequena, da Taça que está em disputa e não um outro troféu qualquer, como tem vindo a acontecer, ultimamente.
Foi uma prova interessante, que no sábado decorreu sob o signo da chuva. No domingo, esta fez algumas aparições, mas que em nada se compararam ao dia anterior. Quanto ao piso, este aguentou o fim de semana de corridas, mesmo com a muita chuva que caiu. A prova decorreu bem, teve ritmo, tendo terminado dentro do previsto, com os pódios a serem efetuados no final de todas as corridas.

Chegar, ver e vencer
Depois de uma participação, com 13 anos, na prova extra de Baltar, Rafael Rego veio a Mação fazer a sua segunda jornada de Ralicross.
O jovem Rafael, dominou desde os treinos até à final. Nem nas passagens pela Joker lap, o jovem do Peugeot 106, perdia a liderança da corrida.
No segundo posto, terminou Gonçalo Novo, Toyota Starlet, que terminou sempre com alguma distância relativamente ao vencedor, pois nunca o conseguiu acompanhar.
Pena foi a ausência de Rodrigo Correia, que bem poderia animar um pouco a categoria dos jovens dos 13 aos 18 anos.
Na sua primeira participação, Rafael Rego levou a Taça para casa e prometeu para o ano estar, nas provas do Campeonato.
Classificação final

Fotos OffRoad Portugal - direitos reservados

Rafael Rego

Gonçalo Novo

Pódio – Gonçalo Novo e Rafael Rego

Novo junta Taça ao Campeonato
Na Nacional, João Novo, Peugeot 106, venceu e juntou a Taça de Portugal ao Campeonato.
Numa categoria em que as ausências de pilotos do Campeonato foram notória, esta foram contrabalançadas pelas presença de Mário Barbosa, Citroën AX, Ricardo Mendonça, Peugeot 306, e Vítor Mendes, Opel Astra.
Foi uma final animada, com João Novo a dar poucas chances aos seus adversários. Contudo, na ultima volta da final, Adão Pinto, Opel Astra, conseguiu aproximar-se do líder, mas teve de se contentar, com a segunda posição. O terceiro foi o regressado Vítor Mendes, Opel Astra, depois de uma luta interessante com Ricardo Mendonça, Peugeot 306, e Mário Barbosa.
Mais um título para João Novo, para juntar aos que já tem, na sua ainda curta carreira.
Classificação final

João Novo

Adão Pinto

Vítor Mendes

Pódio – Adão Pinto, João Novo e Vitor Mendes

E vão duas da A 1.6 para Tiago
Pedro Tiago juntou a segunda Taça de Portugal da A1.6, aos dois Campeonatos que já tinha.
Foi uma prova que dominou, desde as mangas até à final. Nesta, houve duas partidas. A primeira teve Leonel Sampaio como líder, mas este viria a capotar, ainda na primeira volta. Felizmente não teve nada de grave, pois passou demasiado tempo até que algum comissário chegasse à beira do Citroën de Sampaio. Ao mesmo tempo, Luís Morais ficou atravessado, depois de um toque, na entrada da Joker
Na segunda partida. Pedro Tiago, Citroën Saxo, foi para a frente e venceu, mesmo face a alguma pressão que Leandro Macedo, Citroën Saxo, que terminou em segundo, ainda próximo do vencedor. O terceiro foi Tiago Ferreira, Peugeot 106, que assim terminou a época com um pódio. Seguiu-se Leonel Sampaio, com o carro a apresentar alguma mazelas, e Luís Morais, Peugeot 106, que regressou a promete continuar para o ano. Morais parou no decorrer da terceira volta, quando lutava pelo pódio.
Duas Taças e dois Campeonatos, já fazem parte do palmarés de Pedro Tiago.
Classificação final

Pedro Tiago

Leandro Macedo

Tiago Ferreira

Pódio – Leandro Macedo, Pedro Tiago, Tiago Ferreira

Mais um título para Ribeiro
João Ribeiro conquistou a sua terceira Taça de Portugal de Ralicross, juntando-a ao Campeonato que já era seu.
Foi uma das mais interessantes finais da tarde.
Ficou marcada pela primeira curva, onde ficaram parados dois dos candidatos. António Sousa, (Peugeot 208) e Hélder Ribeiro, Citroën C2, depois de alguma confusão, o primeiro ficou atravessado, com Ribeiro a ter de entrar pela Joker, depois de alguns momentos parado, para prosseguir em prova. Quem escapa por um fio, é João Novo, Citroën C2, a estrear-se nesta categoria.
Na frente estavam Bruno Gonçalves, João Ribeiro e José Eduardo Queirós. Os dois primeiros em Citroën Saxo e Queirós, com o Peugeot 206.
Na frente a lura era renhida, com Ribeiro a pressionar Gonçalves. As passagens pela Joker foram cruciais, pois as posições dos dois inveteram-se. João Ribeiro venceu, com Bruno Gonçalves a terminar na sua traseira, em segundo. O terceiro foi José Queirós, com Hélder Ribeiro a pressioná-lo. Hélder Ribeiro fez a volta mais rápida da final e terá sido o piloto mais rápido em pista. Perdeu mais de oito segundos e terminou a seis do vencedor.
João Novo que chegou a andar em quarto, foi o quinto classificado, com o C2 a falhar. António Sousa completou uma volta muito devagar e saiu da pista. Mais um azar, para o piloto do 208.
Três Taças e três Campeonatos, para João Ribeiro, na Super 1600.
Classificação final

João Ribeiro

Bruno Gonçalves

José Eduardo Queirós

Pódio – Bruno Gonçalves, João Ribeiro, José Queirós

 Final com chegada ao “photofinish”
Na Super Buggy, aconteceu uma final de grande espetáculo, com dois primeiros a cortarem a meta lado a lado.
No arranque Nelson Barata fica na liderança, mas embrulha-se de seguida com Paulo Godinho, pois uma transmissão do Toniauto partiu-se. Quem se aproveita é Ricardo Faria, Atmos Storm, que fica na frente e lidera as sete voltas, menos uns centímetros. Isto porque Paulo Godinho, PG 0012, a fazer uma excelente recuperação, consegue ultrapassar Faria, mesmo encima da meta. Vence, por uma questão de centímetros.
Mais atrás, termina Nelson Barata, seguido pelos dois regressados, Manuel Guerreiro, o piloto/construtor da Atmos, e Miguel Ferreira, com o seu LunaSport, que há três anos não era visto nas pistas. Foram os quarto e quinto classificados, mas bem podiam ter ficado mais à frente.
Classificação final

Paulo Godinho

Ricardo Faria

Nelson Barata

Pódio – Ricardo Faria, Paulo Godinho e Nelson Barata

Taça de Kartcross para Alexandre Borges
Alexandre Borges conquistou a sua primeira vitória no Kartcross e isso aconteceu na Taça de Portugal.
Uma Taça que teve várias ausências, de pilotos do Campeonato, mas que também teve quatro estreias, que esperemos continuem no próximo ano. Foram David Bonifácio, Semog Bravo, Hugo Ramos, Semog Bravo, João Pedro Teixeira, JB Racing, e Luís Coelho, Atmos Evolution, Dois deles, já conhecidos dos nosso leitores.
Na final quem chega à frente é Pedro Rabaço, HSport, mas a meio do pelotão há mais um incidente. Mais uma vez sem que houvesse “culpado”, tal como aconteceu em muitas finais deste ano. Prejudicados foram Mário Rato, com uma roda do Semog Revolution arrancada, Vítor Santiago, Semog e Tiago Freitas, Proto HSport.
Santiago ao tentar retomar a corrida, subiu a berma do lado de fora da pista e o kartcross ficou num equilíbrio instável sujeito a capotar. O piloto teve medo de sair, sem qualquer auxílio, correndo o risco do carro lhe cair encima.
Uma situação a rever é, também, o facto de haver dois bombeiros em pista, a apagar um principio de incêndio no Atmos de Luís Coelho, que parou na quarta volta, sem que nenhuma bandeira amarela sinalizasse a situação.
A vitória foi para Alexandre Borges, numa final que dominou. O segundo a cortar a meta foi Rui Nunes, Semog Bravo, ainda próximo de Borges. Um pouco depois, terminou Daniela Godinho, Semog Bravo, depois de recuperar várias posições, com o pódio como prémio, depois de alguns azares no fim de semana. Pedro Rabaço, Proto HSport, foi quarto, depois de uma luta interessante com José Carlos Pinheiro, LBS RX01, o quinto classificado.
Classificaram-se a seguir David Bonifácio, Semog Bravo, Pedro Marques, ASK Evo 2014, a vencer a Taça dos Rookies, Hugo Ramos, Semog Bravo, que prometeu continuar para ao ano, José Mota, Semog Bravo, e João Pedro Teixeira, JB Racing, que não fez a qualificação de sábado, com problemas de embraiagem. Todos na volta do vencedor.
Uma vitória de Alexandre Borges, que lhe deu a Taça de Portugal de Kartcross.
Classificação final

Alexandre Borges

Rui Nunes

Daniela Godinho

Pedro Marques - Rookie

Pódio – Rui Nunes, Alexandre Borges e Daniela Godinho

Pódio Rookie - Pedro Marques

Para o ano há mais e a Taça deverá ser em Castelo Branco

rodape_3.png

Rx-Kx-SB na Federação

FPAK

Go to top
JSN Boot template designed by JoomlaShine.com